quinta-feira, 27 de novembro de 2008

O Primeiro dia aqui

Aeroporto de Montreal

Assim que cheguei em Toronto, para fazer escala, algo já me chamou atenção: a organização e pontualidade deles, e não é que o avião chegou em Montreal em cima da hora?
Não preciso dizer como fiquei perdido quando cheguei em Montreal, ainda mais com meu inglês sofrivel e francês pior ainda...
Comunicando-me que nem índio, consegui comprar um cartão para ligações internacionais (que achei que precisava para ligar para o Normand, o dono da casa onde estou morando, mas na real não precisava, bastava colocar 50 cents...), e depois de ter perguntado para mais ou menos umas três pessoas (o problema não é falar, é entender o que eles falam), e tentando por diversas vezes fazer uma ligação num telefone publico, depois de uns dez minutos consegui ligar para o Normand e dizer que já estava esperando-o.


As primeiras impressões

Assim que cheguei, tentei arrumar minhas coisas e já fui comprar um cartão de transporte para poder conhecer as redondezas e, mais tarde, ir ao estúdio do Victor e conversar com ele e o meu professor - técnico, Yuri Bozyan.
É fantastico o sistema de transporte daqui: como estava no final do mês, Normand me explicou que não valeria a pena comprar o bilhete mensal, então comprei o bilhete semanal (hebdo CAM), e paguei CAD 19,25. Muito simples: voce pode usar o sistema de transporte quantas vezes quiser e como quiser (onibus e metro) durante uma semana, ou seja, é muito bom... Não tem limites de uso durante uma semana.
Outra coisa que me chamou muito a atenção, são os metros: sem exagerar, tem quase um cada esquina, na casa em que estou, por exemplo, fica entre duas estações: Beaubien e Rosemont, dá para ir andando de boa até qualquer uma delas e a pé não demora mais de dez minutos se você for lerdo.
Algo que para mim, um brasileiro paulista, foi assustador: nos pontos de ônibus tem placas dizendo o horário em que cada ônibus passa, e o pior, é que eles passam mesmo no horário! Impressionante...

Uma cidade subterrânea
Assim que me senti um pouco orientado e com a mínima noção de espaço, resolvi dar uma volta pelas redondezas e conhecer um pouco do lugar onde estou, então me informei e fui conhecer alguns shoppings que ficam no metro.
Aqui, em quase todas estações de metro tem pequenas lojas ou lanchonetes dentro das estações ou ainda barraquinhas onde se vende de tudo: desde relogios até bijuterias, óculos ou artigos para frio.
Até agora conheci dois grandes shoppings - metro: o Artwater e o McGill, e olha, é impressionante como são grandes, achei que ia ser tranquilo e que não me perderia, pensei comigo: "será tranquilo, não vou sair de dentro do metro mesmo, não terá como me perder!".
E não é que me perdi? Vocês não tem noção de como são grandes, o primeiro que fui visitar foi o McGill, e para minha surpresa, tinha seis andares!!! Sem contar as ramificações e outras partes que estão no nivel da rua e do metro, tem muitas lojas e lugares para comer, teve uma hora que eu fiquei tão perdido que não consegui encontrar a saida para voltar para o metrô.
Eles são tão organizados que todas as notas fiscais vem com o preço do produto e depois vem o preço com a taxa, tudo aqui voce paga taxa, mas já vem escrito de quanto é o imposto.
E olha, se um produto custo CAD 7,87, e voce dá uma nota de dez dólares, acredite, eles devolvem certinho o seu troco e as moedinha de um centavo...
Aqui um centavo é dinheiro sim senhor.

Nenhum comentário: