segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Les premières classes avec professeur Yuri Bozyan

O começo

Na real, a primeira aula não foi tão traumatizante assim, ele é um cara super cuidadoso e presta muita atenção em tudo, foi mais uma aula de reconhecimento, para ele ver de onde começaria o que eu gostaria de fazer e tudo mais, tudo ok.
Mas para alguém que estava há pelo menos uns seis ou sete meses sem treinar direito [a última vez que treinei foi para a apresentação de formatura do CEFAC, vai vendo...], foi algo bem dificil... Mas achei que tudo estava certo, afinal, não fiquei dolorido nem nada e até consegui fazer as coisas, mas o pior ainda estava por vir.

Já na segunda aula começamos logo no início a fazer exercícios só com um braço, tudo obviamente para direita e esquerda, ai a coisa complicou, terminei o dia dolorido e na terceira aula já tava meio que pedindo água...

Houve um momento em que eu sentei e quando ele olhou me disse:

“Karlusha! Non! Non! Marché, marché!”

Olha... é complicado, não tem descanso não, se não tá na faixa tem que estar fazendo algo, no caso, alongar. Mas logo me arrependi que no alongamento não conseguia descansar não... Em alguns momentos prefiria era estar fazendo força.
Aliás, dores à parte, ele tem técnicas muito interessantes para aquisição de flexilibilidade, bem efetivas.
Claro que algumas coisas com relação ao treinamento não mudam muito, alguns exercícios são os mesmos que eu já conhecia, mas tem um grande diferencial que é o “como” ajudar, “como” guiar o movimento, “como” forçar, “como” colocar o quadril e o joelho na posição correta, “quando” pedir para fazer o exercício, “quando” forçar um pouco... Coisas que só a experiência e o trabalho trazem.


Zadnie e Perednie

Foram essas as minhas primeiras palavras em russo que ele me ensinou!
Zadnie é a mesma coisa que prancha de costas, back lever ou prancha dorsal, e Perednie significa prancha facial, front lever ou prancha de frente ou à frente.
E obviamente “da” que significa sim, oui, yes...

Yuri Bozyan é um dos professores principais da ENC Montreal [L’École Nationale de Circus – Montreal, http://www.enc.qc.ca/index.asp].
Ele é um jovem senhor de apenas 61 anos de idade, que obviamente não parece, de pai armênio e mãe descendente de pai ucraniano e mãe russa.
Ele, como quase todo jovem do leste europeu, também foi ginasta até seus trinta e quatro anos mais ou menos, depois disso começou a trabalhar com circos e parou em 2001.
Sim! Isso mesmo, parou com uns cinquenta e quatro anos...
Assim que parou em 2001, já foi convidado pela ENC para ser professor, e acabou se tornando, junto com Victor Fomine, um dos professores principais da escola, responsável no início por diversas disciplinas e por fazer a base da escola.
Devido ao tempo em que trabalhou com circos e à sua história de vida, ele era responsável por diversas disciplinas: preparação fisica, classe especial de flexibilidade, faixas aéreas, equilíbrio sobre mãos, mão à mão [dinâmico e estático], percha e outras coisas que não conseguia entender... Mas até com arame esticado ele trabalhou!
Só explicando, imaginem vocês eu com meu francês tupiniquim tentando me comunicar com um cara que fala francês com sotaque russo, é difícil.

Sua esposa também dá aula na ENC, chama-se Irina Bozyan, ela tem descendencia russa, ucraniana e chinesa! Uma simpatia de pessoa, muito gentil e amável [ela me disse que adorou os docinhos que eu levei do Brasil], toda jovem também: cabelos curtos, fios compridos, desfiados e vi mais ou menos umas três cores, e muito, muito blush...
Ela é professora de equilíbrios, hoola hoops e Jogos icarios. Quando fui na ENC eu vi a aula dela de equilíbrio sobre mãos para os alunos dos primeiros anos, impressionantes: todos subiam para a parada, ficavam um tempinho, faziam variações... Isso com uma turma de dez a doze alunos iniciantes. Na aula cada um tinha seus tijolinhos para fazer os exercícios, quer dizer, não que era deles, mas a escola tinha o suficiente para cada um.

Voltando para o Yuri, depois de algum tempo na escola, já era o professor que mais dava horas aulas: enquanto a grande maioria dava vinte horas aulas por semana, uns poucos chegavam a trinta, ele dava pelo menos trinta e cinco horas aulas por semana. Depois, para aliviar a carga de trabalho dele [que na real, não mudou muito até hoje...] ele ficou com especialização em faixas aéreas e equílibrio sobre mãos e orientava a parte de preparação física e treinos para aquisição de flexibilidade.

Engraçado, ele não parece nem um pouco ter 61 anos...

Circo faz bem!

Nenhum comentário: