domingo, 25 de janeiro de 2009

Cirque du Soleil - Parte 3, terminando a jornada...




Lojinha


Dentro da sede há uma loja com produtos do Cirque, tem de tudo: uma grande diversidade de roupas [camisetas, blusas, agasalhos, camisas...], CDs, DVDs, bolsas, sandálias [tipo havaianas saca?], squeezes entre diversos outros tipos de lembranças como bottons e chaveiros.

O melhor? Consegui um desconto bem bacana... Graças ao meu anfitrião consegui 40% de desconto na compra! 

De interessante mesmo, comprei o novo DVD do Kooza, o resto eram roupas, sandálias e uma agenda para mim. Sim, haviam outros DVDs não lançados aqui, mas como não tinham legendas em português, resolvi esperar um dia lançarem no Brasil com opção em português.

E é engraçado que você sempre encontra algum artista de algum show, ou de férias ou fazendo fisioterapia, que passa na loja para fazer umas comprinhas. Na ocasião eu encontrei com a Uuve Janson novamente, como elas estava de férias, ela estava treinando balanço no estúdio do Victor, e nesse dia estava fazendo umas comprinhas.

Ela e o irmão fazem atualmente o duo aéro no Dralion [pas de deux aérien], eles entraram no ano passado, terminaram a ENC e já foram direto para esse espetáculo.


O Casting


Antes de almoçar, fui conhecer um pouco mais como funciona o casting.

É algo incrível mesmo, tanto na organização e estrutura como na quantidade de material que eles tem. O Cirque possui um grande cadastro onde tem listado vários artistas com diversas informações, fotos e vídeos e histórico de contatos entre a empresa e o artista. 

Há também uma outra parte onde é uma videoteca com o material que eles recebem, e eles têm uma funcionária que é responsável por verificar e catalogar todo material que chega para ajudar no trabalho dos outros funcionários do casting, que aliás, é muito DVD que chega... 

Ao lado da entrada da videoteca tinha um balcão, com um tipo de prateleira para onde vinha todo o material que chegava via correio, e haviam DVDs de tudo quanto é lugar do mundo e de diversos artistas e técnicas. Ah, antes que me esqueça, ao lado esquerdo da entrada da videoteca havia já uma outra estante grande, com diversas gavetas com alguns artistas já catalogados com seus DVDs, tudo organizado em ordem alfabética e de área de atuação.


A essa altura do dia, eu já estava com uma fome... razoável.



quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Cirque du Soleil - Parte 2





Continuando a jornada.


Depois de conhecer os estúdios, que ficavam todos no nível inferior, subimos as escadas e fomos dar uma olhada num tipo de biblioteca que eles tem, mas para os diretores artísticos, diretores de criação, figurinistas, maquiadores, cenógrafos... Enfim para o pessoal de criação e produção de novos shows. Uma biblioteca com muito material visual, fotos de diferentes lugares e de várias culturas, povos, cidades, países. 

Este material é para a pesquisas de novos espetáculos, serve para estudos e busca de referências, imagens e inspiração.


Descendo novamente, fui levado às salas de múltiplas funções, eram salas bem amplas, tanto em altura como em profundidade, mas tinha algo bem interessante: essas salas foram construídas para poderem se subdividir ou ser ampliada, nessas salas haviam dispositivos que permitiam que as paredes pudessem ser “guardadas”, umas eram puxadas até o teto e outras eram meio sanfonadas e recolhidas para os lados das salas.

Essas salas serviam para ensaios de dança, pesquisa, trabalho teatral, malabares e até técnicas de equilíbrio; aliás, eu vi umas pernas de pau hidráulicas, agora vocês vão me desculpar porque com tanta coisa que vi e ouvi, esqueci o material que eram feitos essas pernas de pau, ou eram de titânio ou um tipo de carb... Enfim, esqueci, só sei que eram muito, mas muito leves e bonitas. 

Logo mais vou postar umas fotos delas, não resisti e tirei algumas fotos para meus  amigos que curtem.




As salas de concepções, pesquisa, confecção...


Dentro do Soleil existem departamentos de pesquisa e construção de alguns materiais: tem uma parte que é de manutenção de equipamentos e aparelhos, tem uma sala só para pesquisa de tecidos [em tempo: tecidos para figurinos, não “ticidu” para acrobacias], e as de figurino, maquiagem, adereços e calçados! Sim, calçados e adereços, muitas botas, sapatos,  máscaras, chapéus, bonés... 

É tudo muito organizado e  bem feito, para cada artista que entra, eles fazem um molde da cabeça, uma máscara totalmente feita à mão para que os adereços sejam feitos sob medida e na hora do show, não saia nada voando pelo palco.

Muita correria, nesses departamentos eles não param, estão todos sempre fazendo algo, refazendo, construindo... Sem contar os estudos de maquiagem, figurino e adereços dos novos shows que estão em produção.



Musculação e Fisioterapia


Ainda no nível inferior, havia uma academia com salas de fisioterapia. 

Todo artista quando chega aqui, antes de entrar em qualquer show, ele passa por uma avaliação física, e, com a resposta do médico e fisioterapeuta, estando ok, é assinado o contrato e ele passa a fazer parte da empresa. 

Algo bem interessante: no Soleil, quando algum artista sofre alguma lesão, ele imediatamente volta para a sede onde passa por avaliações e tratamento, e continua recebendo seu salário, sendo descontado apenas uma porcentagem. 

Quem tem lesão faz um horário de trabalho como um funcionário: chega de manhã e começa os procedimentos fisioterápicos passando depois para a parte de fortalecimento e o que mais for necessário dependendo do caso. 

Sempre com acompanhamento especializado, com um profissional sempre ao lado acompanhando o artista. 

Todo trabalho sempre é personalizado, individual. 

Mas a academia de musculação é aberta aos funcionários do Soleil também, quem quiser fazer uma forcinha, perder umas gordurinhas...


E eu vou terminando essa parte por aqui porque agora vou ver se eu perco as minhas...


À bientôt!

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Cirque du Soleil





Bairro de Circo

O Cirque du Soleil fica entre as estações de metro Jarry e D’Iberville, mas é mais fácil descer na Jarry e pegar um ônibus.

O lugar em que se encontra é praticamente um bairro de circo: atravessando a rua você está de frente para a ENC - Montreal [http://www.enc.qc.ca/index.asp], e na direção oposta, a Tohu [http://www.tohu.ca/], e o Soleil [http://www.cirquedusoleil.com/en/default.asp] fica bem entre esses dois centros.

Sobre a ENC Montreal escreverei mais para frente.


É impossível passar por perto e não perceber esses grande prédios, de longe é possível enxergar, não tem nem como se perder. 

A sede social do CDS é realmente grande, somente de funcionários fixos que trabalham dentro da sede, são mais de mil e oitocentos, isso sem contar os artistas que chegam diariamente para ensaiar, seja para substituições ou para a criação de novos espetáculos. 


Lá dentro

Realmente impressionante, é uma grande empresa mesmo, lá dentro existem diversas repartições e seções: desde salas de reuniões e escritórios, até salas de fisioterapia e musculação, isso sem contar os três estúdios onde são feitos os ensaios e treinos dos shows que já existem e que estão em produção.


A primeira parte dos escritórios que eu conheci, foi a seção do casting.

Um grande departamento dividido em várias repartições com pessoas de diversas nacionalidades: França, Russia, Canadá, Brasil... As reuniões no pessoal do casting são semanais, apesar de todos os artistas terem contratos, sempre ocorrem substituições devido à lesões, férias, rescisão de contrato, gravidez, isso sem contar as produções dos shows novos. Eles procuram sempre manter o cadastro dos artistas que já passaram nas audições atualizados, por isso sempre é bom, para os que já foram aceitos para o casting, continuar enviando material novo em vídeo.

Existem basicamente quatro seções de casting: uma com foco mais artístico, outra de   caráter mais acrobático [seja aéreo ou de solo e aparelhos], uma mais direcionada ao trampolim acrobático e outra voltada para a área musical. 


Os Estúdios.

Depois disso descemos e fomos visitar os estúdios.

No primeiro estúdio estavam ensaiando os números novos para o Cirque 2009 [nome provisório do novo espetáculo]. 

O primeiro número que vi, era de autoria do pai de Roman Tomanov, para quem não sabe, é aquele garotinho que no DVD do Solstrom volume 4 [se não me falha a memória] faz um número absurdo nas faixas aéreas; mas o número que eles estavam ensaiando era... Complicado... Era uma mistura de vôos, com maca russa e banquine, o balanço do porteur também servia como maca russa, e no meio da rede havia uma estrutura onde ficava dois caras recebendo e jogando os volantes, depois subia a estrutura e ficavam só os balanços, olha... Sem palavras. 

Ok, os volantes tomaram uns chão sim, foram para a rede algumas vezes. 

Depois dois outros lançadores pegaram um volante chinês, que tinha vindo do trampolim, e ficaram treinando banquine com ele até a hora que eu saí de lá. 

Depois tinha ainda um chinês andando sobre as mãos na corda bamba, impressionante, só isso.

Infelizmente aqui não podia tirar fotos.


O segundo estúdio 

Aqui também não podia tirar fotos, mas tudo bem, pelo menos pude ver.

O estúdio central, era o maior, era onde eles faziam uma réplica idêntica ao palco do show novo, com tudo: toda a parte de estrutura, iluminação, parte de som, contra regragem, máquinas...

A parede parecia ser algo como as paredes de escaladas indoor, haviam coisas que pareciam agarras. No meio do palco haviam duas camas elásticas no nível do palco [era só a estrutura do trampolim, não ele em cima do palco] e algo que achei bem interessante: um fast track em direção ao público, como se fosse uma pista. 

Haviam diversos funcionários e engenheiros trabalhando, foi uma pena não poder ficar passeando lá dentro e poder ver mais de perto, eles estavam todos correndo muito e trabalhando, consertando, arrumando, conversando, fazendo cálculos... Estava com muita curiosidade e vontade de perguntar mais coisas mas não foi possível.


O Terceiro Estúdio

No terceiro e último estúdio eu pude tirar fotos! 

Nele eram ensaiados os números antigos, de shows que já existem. Estavam lá a cama elástica do Dralion e La Nouba, os mastros do Saltimbanco e Mystère, os lustres do Corteo, uma pista de fast track ao fundo e uma maca russa de frente para um grande fosso. 

Desnecessário dizer que todos os estúdios eram muito espaçoso, com grande altura e com muitos materiais de segurança.


Ainda não tínhamos visto nem metade da sede.


Longa jornada ainda pela frente...


domingo, 18 de janeiro de 2009

O Ano Novo

O ano novo


Dia 31 de dezembro, fazia aproximadamente uns 15 graus negativos aqui, se bem que com o passar das horas, ia abaixando, abaixando...

Honestamente, eu realmente não sabia o que fazer, estava de mudança de casa, iria morar agora um pouco mais perto do estúdio Leotard. 

Então imagem só eu tentando arrumar todo meu quarto e minhas coisas, para vocês terem idéia, eu tinha começado a organizar malas e roupas dois dias antes... Mas ok, já tinha deixado quase tudo pronto para a mudança e algumas  bagagens já tinha levado para a nova casa.

O Tayo foi passar o ano novo na casa da família dele e o Normand tinha uma programação para o dia: primeiro iria na casa de uma família de peruanos e depois, na passagem, ficaria com uns amigos latinos. Ele tinha me chamado para ir mas ainda não sabia se iria.

Confesso que eu estava meio deprê... Mas depois de falar com minha família e a Lu, resolvi ir com ele.



Os peruanos


A nossa primeira parada foi na casa de uma família de peruanos, ou melhor, peruanas. 

Era uma senhora que morava aqui no Canadá há uns 10 anos, e, que 5 anos mais tarde veio seus outros três filhos: José, Glória e a outra que... Esqueci o nome.


Pessoas super humildes e simples, extremamente simpáticos e muito gentis. 

Chegamos lá e a senhora já fez um prato de macarrão e um seviche... Delícia!

O seviche [ou ainda cebiche ou ceviche] ou é um típico prato peruano feito de pescados brancos e frutos do mar como polvo, lagosta e camarão por exemplo, com muitos tipos de pimenta,  lima, limão e salada simples, cebola e coentro. Simplesmente maravilhoso.


Infelizmente não consegui comer muito, eu já tinha comido antes de sair de casa. Mas o Normancha não perdeu tempo:  mandou ver o meu prato também! 


Foram super legais, a mãe ficou preocupada comigo por que achava que eu estava passando frio, eu disse que só de calça jeans e minhocão, e aqui, eles usam um outro tipo de calça por cima [em tempo, a essa hora da noite já estava MENOS VINTE], tirou medida da minha cintura e disse que tem  um bazar perto da casa deles que tinha coisas usadas por um dolar... Tipo mãezona! Muito engraçado.


Ficamos um tempo, tirei algumas fotos e nos despedimos, tínhamos que ir ainda à casa dos outros amigos sulamericanos do Normand.



Willy Rios


Nome de artista né?

Pois é, e é mesmo. 

Ele mora há uns vinte anos no Canadá, a sua casa fica em Laval, uma outra cidade perto de Montreal, ficava em outra ilha. Olha... Que casa! Bem grande.

Assim que cheguei, nem parecia que estava fora do Brasil: eu só ouvia gente falando em espanhol! Não ouvi em nenhum momento inglês ou francês, a parte dos que estavam eram bolivianos, mas tinha de tudo: gente da Nicarágua, do Equador, do Chile, do Peru, tinha três quebecoise e... eu! Brasileiro... Me lembro que na metade da festa já estava falando "portunhol" à la Wanderley Luxemburgo, imagine mi sotaque... Oui!


O Willy é músico e viajou já muito pelo mundo, principalmente para o Japão, até falava um pouco de japonês!

Descemos para o nível inferior da casa, e lá embaixo tinha um estúdio onde o Normand gravava as coisas dele [só lembrando, o Normand é músico, além de construir flautas e tocar violão, ele acabou de gravar um CD solo], muitos instrumentos e aparelhos, e o Willy me mostrou diversas fotos dele pelo mundo e principalmente dos shows que fazia no Japão, me deu um CD dele também e tocou algumas das flautas tradicionais bolivianas. 

Mas na hora da “cantoria e tocação”, eu já estava dormindo... Capotei depois da uma da manhã.

Bom, não preciso falar que comi até né? Foi ótimo experimentar diversos tipos de pratos típicos de alguns países, a esposa de Willy, por exemplo, fez um tipo de carne de panela com diversos legumes, tinha batatas e pedaços de milho... Uau... E bem apimentado e forte! Sem contar os outros tipos de carnes e acompanhamentos.

Pessoal super afetuoso, simpático e gentil, nem me senti fora do Brasil, impressionante. Havia um clima tão grande de cumplicidade e generosidade, foi algo muito bom! Achei lindo ver os pais dançando com seus filhos pequenos... Ah não, não! Não eram danças como créu e similares, eram danças típicas dos seus países de origem: danças e músicas populares e folclóricas da Bolívia e Chile principalmente.

Essa foi minha passagem de ano: muita comida, muita festa, muita música... 

Foi bem divertido, tirei umas fotos e depois fui deitar num sofá que tinha no estúdio, não aguentei: afinal, tinha acordado bem cedo para treinar né? 


Ah! É mesmo, nem falei que no dia 31, de manhã, lá estava eu pronto para começar a treinar com o senhor Victor Fomine às nove horas da “madrugada”.


Depois o Normand me acordou para irmos embora, já era umas quatro da manhã, chegamos às quatro e meia da madrugada e fui deitar umas cinco e meia da manhã, acabou que em fui da casa da Emma e da Sasha, estava quebrado, elas tinham marcado uma festa também com o pessoal que treina e alguns do Soleil.


E fui deitar já com tudo preparado para a mudança, dia primeiro de janeiro já estaria na minha nova casa.


Vamos lá.


sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Meu Final de Ano


O que eu fiz no natal?


O natal aqui é bem bonito mesmo... 

Confesso que não vi nenhum boneco de neve real, mas muitas casas colocam bonecos artificiais com luzes e tudo mais. 


Mas o que fiz no natal?

Treinei uai!

Sim, parece coisa de neurótico [e talvez o seja mesmo...], mas o fato é que como meu professor é descendente de russos e armênios, eles não comemoram o natal no dia 25, o natal deles ocorre na noite do dia 6 de janeiro para o dia 7 de janeiro. Ou seja, para ele era um dia normal, e como estou aqui para tentar aproveitar o máximo possível... Demorou! 


“Travail, travail, pratique, pratique Karluscha...”


Oui, oui...


Essa foi minha resposta super eloquente e super significativa... Super fluente meu francês não?


Embora agora já esteja bem melhor nossa comunicação, afinal, imaginem vocês um tiozão da rússia falando francês? 

As primeiras aulas foram muito engraçadas: às vezes ele começava a falar em francês comigo [com aquele sotaque, claro] e eu olhando com cara de conteúdo, então ele percebia e chamava a Sasha, conversavam em russo e depois eu falava com ela em inglês. 

Aliás, sempre que eu tinha uma dúvida mais complexa com relação aos exercícios e parte técnica, eu pedia socorro para ela.


Não falei da Sasha?

Ela nasceu nos Estados Unidos, mas muito criança se mudou para a Rússia, onde treinou ginástica artística e depois foi para a ginástica ritmica, onde seguiu carreira e fez parte da seleção da Rússia de GRD, depois começou a trabalhar com circo, e, finalmente, com o Cirque du Soleil. 

Entre os trabalhos, ela foi a coreógrafa pelo número de contorção do Kooza e também dá treinamentos particulares no Studio Leotard.


Vocês acham que eu fui o único sem noção a treinar em pleno natal?

Nada... Logo depois veio o Adil, um francês que trabalha num show nos Estados Unidos chamado Absinthe, do grupo Spiegel World


Pois é amigos, o pessoal aqui treina e muito. 


De resto, nada demais, aliás, não via a hora de acabar o dia, porque no dia 26, era o Boxing Day... Já tinha feito toda a programação depois do treino, já sabia as lojas em que eu queria ir e o que comprar.

Mas na real, foi tudo no sufoco, imaginem vocês que tinha mercadorias, que pela internet já tinha fila de espera... 

Para quem  não sabe, o Boxing Day, é um dia especial que ocorre logo após o natal, onde     as mercadorias são vendidas com 40% até 65% de desconto, vi em algumas lojas, produtos com até 75%. 

Sim... eles não são brasileiros mas nesse dia eles adoram uma fila, muitas lojas organizam filas para os clientes poderem entrar, cada uma tem seu esquema: entrar de dez em dez clientes, a cada X números de clientes que sai entra outros X... É uma correria danada aqui.

Outras lojas fazem Boxing Week, uma semana inteira de promoções diversas, mas claro, sempre os melhores produtos acabam primeiro, há casos de pessoas que chegam às 5h30 da manhã para já guardar seu lugar na fila.


É impressionante o poder de compra aqui, existem vários grandes centros de compras [Marche Central e Carrefour Angrignon] e ruas comerciais [Rue Masson, St. Hubert, St. Catherine...], sem contar os Shoppings Metro [Alexis Nihon e Centre Eaton] , e tudo sempre muito movimentado, apesar que no frio fica um pouco diferente, afinal, sair para passear com menos quinze ou menos vinte não é lá aquele programa.


Numa próxima oportunidade irei listar aqui alguns lugares brasileiros! Tem cafés e restaurantes de pessoas que vieram do Glorioso para cá. 


Até a próxima.