quarta-feira, 8 de julho de 2009

Só para ficar um pouco indignado

O que é Justo, o que é digno, o que é o coerente


Confesso que às vezes fico, realmente, desesperado...

Desesperado e indignado com as coisas que acontecem nesse nosso país: as contradições, as injustiças, a falta de coerência, de ética, de vergonha, de amor ao próximo, de respeito ao ser humano, principalmente no que se refere ao senso comum que ficou conhecido como típico "de nós brasileiros" [a maldita mania de querer tirar proveito de tudo e de todos, principalmente enganando e mentindo]. Sem contar ideologias que vem sendo impostas, como o fascínio pela fama, o culto à celebridade, a vontade do "valeu tudo pelo prêmio" e da exposição do ser humano como um produto.


Eu realmente precisava escrever por esses dias, ouvi e presenciei tantos absurdos ultimamente que nem sabia por onde começar.


Uma das coisas que mais me deixa indignado é esse maravilhoso sistema judiciário e penal.

Imaginem vocês o seguinte caso: um cidadão vindo do nordeste vem para São Paulo “tentar a vida”. Se casa, mas logo se separa de uma mulher e se casa uma segunda vez, até ai tudo ok, até porque ele sempre pagou a pensão do filho em dia.

Mas um belo dia, ele fica desempregado e atrasa a pensão. Resultado? Vai preso, e para a cadeia junto com traficantes, assaltantes, drogados, assassinos e outros praticantes de delitos.

É justo?

Ou ainda, é moralmente justo? É éticamente justo? Humanamente justo?

O que seria justo ou de direito?


Não estou falando que é certo “não pagar a pensão” ou ainda tentando justificar um erro...


O fato é que como é possível colocar um homem honesto, trabalhador, que até então tinha a ficha limpa numa prisão com elementos perigosos? Pior é a contradição: como ele pode trabalhar para ter o dinheiro da pensão se ele está preso?

E para piorar a situação, para poder ser solto teve que gastar mais de R$ 1.000,00 [dinheiro que não tinha] com um advogado, para tirá-lo da escola de bandidos. Ou melhor, do cursinho preparatório, já que os maiores bandidos desse país e os que tem mais sangue nas mãos [ainda que indiretamente] são os nossos amados e estimados políticos [não todos, claro].


Ou seja, uma vida que pode ficar marcada, ser destruída por uma lei cega, surda e muda que só funciona para algumas pessoas ou ainda, só funciona quando interessa. Ainda que seja para condenar inocentes.



Sensacionalismo e Ibope ou Como se beneficiar da desgraça alheia


Condenar inocentes, algo que aliás [condenar antes de provar], a mídia brasileira ajuda a fazer, seja querendo promover uma comoção pública para “que se faça justiça o mais rápido possível”, mesmo que condene as pessoas erradas ou até mesmo para ganhar audiência com a desgraça dos outros, transformando tragédias em verdadeiros reality shows.


Basta ver a união da incompetência da justiça com a irresponsabilidade e o sensacionalismo da mídia [tanto televisiva como impressa] em casos como o da Escola Base [que virou livro, documentário e até tese, para saber mais clique também aqui], do Caso da cidade de Ouro Preto, sem contar o cinismo de “heróis” como o policial do caso da Isabella Nardoni ou o competente e íntegro funcionário responsável pelo caso de Ouro Preto.


A lista que atesta a incompetência e ineficiência da “justiça” [rá! pegadinha do Malandro!] é extensa... Isso dos casos que sabemos e que vem à tona. Tem de tudo: desde acusados de violência sexual presos injustamente [aliás, caso no mínimo curioso, uma vez que o real acusado, um homônimo já havia sido julgado e LIBERADO] e homicidas por exemplo.


E o pior, é que são erros grosseiros, equívocos cometidos por falta de atenção, de bom senso ou até mesmo por falta de conhecimento da profissão ou dos processos jurídicos.


Bom, mas sabem como é né? Basta ver uma câmera, uma luz, os holofotes, microfones...



E os que merecem e PRECISAM ser presos?


Puxa vida, que coisa não?

Como diz um grande jornalista da TV, “é uma vergonha” o que nossos políticos fazem.

Porque estou dizendo isso?

Muito simples, um querido amigo meu me lembrou um dia desses, que desde a época da ditadura, realmente NENHUM POLÍTICO PAGOU POR NENHUM CRIME!

Ai é fácil explicar não é? Muita gente com o rabo preso, um favor aqui outro ali, renuncia antes, uma manobra política...


A lista de escândalos é bem grande... Isso só a do ano 2000!

O que dizer dos nossos queridos parlamentares?

Coitados... Afinal, eles ganham muito pouco para trabalhar muito, confira comigo:

Antes do "cotão":


Salário - R$ 16.500,00

auxílio moradia - R$ 3.000,00

verba gabinete - R$ 60.000,00 [para contratar até 25... Assessores?]

verba indenizatória - R$ 15.000,00

cota postal - R$ 4.200,00

reembolso telefonico - R$ 5.000,00

gastos com gráfica - R$ 6.000,00


Total: R$ não sei contar tantos números.


Ah, esqueci de contar os “vale passagem de avião”, que dependendo do Estado, poderia variar de R$ 3.700 a R$ 14.900.


Depois do "cotão":


salário - R$ 23.00,00 a R$ 34.000,00

auxílio moradia - R$ 3.000,00

verba gabinete - R$ 60.000,00 [para contratar até 25... Assessores?]


Lembrando que esse valor é o “cotão”, que nada mais é do que a incorporar no pequeno salário deles as verbas que eles recebiam antes, assim fica oficial a... o... Bom, melhor não falar nada.


Aliás, acho que vou parar por aqui, por que ficar vendo essas coisas, saber disso tudo não é muito agradável, sinto como se estivessem me assaltando todo dia um pouco e sendo desvalorizado como profissional, cidadão e ser humano.


Depois continuo com mais coisas.


Para quem quiser saber mais, clique aqui.


Abraços.



Um comentário:

Lullis disse...

que horror!! com um salario base de R$ 16.000 e ainda R$ 3.000 de auxilio moradia... isso enquando o deficit habitacional no pais era, em 2005, de quase 8 milhoes...ridiculo!!!